Os impactos do ESG nos negócios

Quem está ligado no mundo corporativo já percebeu alguns impactos do ESG nos negócios. A sigla, que significa Environmental, Social and Governance ou, traduzido, Ambiental, Social e Governança, é prova de que a forma de consumir vem mudando e as empresas precisam se adaptar para continuarem relevantes.

Andreia Marques, professora dos MBAs USP/Esalq, definiu ESG, mostrou as diferenças entre a sigla e a sustentabilidade e comentou os impactos para as empresas e acionistas. Aproveite!

Leia mais: Organizações líquidas: a hora de desenvolver uma cultura de mudanças é agora

Conceitos e lentes para entender ESG

Para começar, precisamos definir alguns conceitos que podem se relacionar com os impactos do ESG nos negócios. Para Andreia, “eles são essenciais para falarmos sobre ESG, como o desenvolvimento sustentável, que surgiu em 1987, com o Brundtland Report e define o termo como algo que ‘satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades’.”

Mas não se engane! Embora o desenvolvimento sustentável se relacione com a sustentabilidade, ele não pode ser confundido com o ESG. Segundo a professora, essa confusão dos significados existe desde 2018, principalmente, devido ao uso indistinto do termo pelas pessoas. Para ela, os termos se diferem em alguns pontos específicos:

  • O conceito de sustentabilidade é muito mais amplo do que o aplicado nos meios empresariais (que é a sustentabilidade corporativa);
  • Ele tem como propósito o benefício de toda a sociedade;
  • Incorpora as visões, interesses, demandas e atuação dos governos e sociedade civil;
  • Seu fator “econômico” envolve o desenvolvimento econômico de toda a sociedade e não só da empresa.
  • Já o ESG é o business case da sustentabilidade;
  • Ele é aplicado ao ambiente empresarial/corporativo;
  • É visto como critérios e práticas para definição de risco e preço das empresas;
  • Tem a sustentabilidade como inspirador indireto (por meio de investidores demandadores) e o desenvolvimento sustentável como “subproduto’ comunicado como objetivo principal;
  • Suas práticas são definidas por métricas ou ferramentas para sustentabilidade.

Os impactos do ESG nos negócios não são novidade

Ainda pensando sobre os impactos do ESG nos negócios, a professora explicou que isso não é novidade. “O termo ESG foi cunhado pela primeira vez em 2004, no relatório Who Cares Wins, em que as grandes seguradoras foram as mobilizadoras do ESG. Isso por que os furacões da década passada trouxeram muito prejuízo para essas organizações, e a frequência com que esses desastres naturais aconteceram fez com que as seguradoras fossem o primeiro segmento impactado e, assim, tivessem essa tomada de decisão.”

Hoje, anos depois, questões sociais e ambientais ainda continuam presentes no mundo empresarial. É fundamental para as empresas incluírem o ESG em sua gestão estratégica. O que nos leva ao próximo ponto.

Leia mais: O que você precisa saber sobre ecossistemas digitais

Por que incorporar o ESG na gestão estratégica de uma empresa

Andreia explica mais sobre os impactos do ESG nos negócios e sua influência no valor da empresa, podendo gerar prejuízos às companhias que não se atentam ao tema, independentemente do seu ramo de atuação.

“Toda operação gera externalidades, que são importantes para sinalizar os riscos e benefícios e as reportar de forma transparente. Isso porque esses riscos impactam diretamente no balanço das empresas, em seu valution e receita”, explica a professora.

Assim, é importante que a empresa mostre um perfil que tem o ESG como uma de suas prioridades, principalmente para os acionistas, que irão investir e nutrir financeiramente o negócio.

Mas vale a pena investir em ESG?

De acordo com Andreia, vale muito. “Falando novamente sobre os acionistas, normalmente eles devem olhar as empresas em quatro quadrantes: o amanhã, o hoje, o interno e o externo. Esses quadrantes, juntos, tratam da sustentabilidade.”

Sobre essa perspectiva, a professora explica o que muda em cada quadrante e quais questões eles tratam:

  • Amanhã/externo: trata da população, com questões sobre desigualdade e pobreza
  • Amanhã/interno: trata da revolução, tecnologia limpa e marcas no geral
  • Hoje/externo: diz respeito à sociedade civil, transparência e conectividade
  • Hoje/interno: investe esforços para controlar poluição, consumo e resíduos

Gostou de saber mais sobre os impactos do ESG nos negócios? Esse é só mais um dos temas que você pode conferir no MBA em Gestão de Negócios USP/Esalq. Aproveite para se inscrever e venha viver o aprendizado na prática!

Você também pode gostar desses conteúdos:

Autor (a)

Compartilhar