Design Thinking para o mundo complexo

Se a cada dia vivemos mais em um mundo complexo, então nossos problemas também estão mais complexos, certo? Isso significa que escolher a melhor solução dentro de possibilidades fixas e já pré-estabelecidas pode ser pouco eficaz para resolver a complexidade dos desafios da atualidade.

As empresas e profissionais precisam se atualizar para lidar com o mundo complexo de forma criativa e eficiente, com novas abordagens, questionamentos e modelos mentais. É aí que o Design Thinking pode ajudar!

Sobre a técnica

A ideia principal do Design Thinking é dividir o problema em questão em etapas. Assim, os processos podem originar ideias inovadoras e proporcionar resultados surpreendentes.

As etapas compreendem imersão, análises e definição do problema, ideação, prototipação e testes.

E, para a ferramenta funcionar de forma satisfatória no mundo complexo, é importante que os envolvidos nesse processo desenvolvam habilidades sociocomportamentais que facilitam as relações durante a aplicação da técnica.

Podemos enquadrar essas habilidades em um triângulo, em que as pontas representam empatia, colaboração e experimentação. Vamos conhecer melhor cada um deles.

Empatia no mundo complexo

É impossível desvincular a aplicação do Design Thinking no mundo complexo das interações humanas. O caráter humano da técnica está presente já na primeira etapa, que é a imersão. A ideia é compreender de forma mais aprofundada dores, necessidades e sonhos. A empatia é essencial para que o time consiga imergir em diferentes realidades.

E quando falamos em empatia, também falamos em ouvir com atenção as demandas do outro, para que a análise seja assertiva e precisa. Nessa etapa, cabem perguntas básicas, pesquisas quantitativas e qualitativas, reuniões para diagnósticos e coletas de dados.

A próxima etapa do processo de Design Thinking também precisa de empatia. Definir o problema é limitá-lo e enquadrá-lo em um diagnóstico com padrões e identificação de sintomas. E cada pessoa pode contribuir com seu ponto de vista.

Colaboração

Para seguir as etapas da técnica, a colaboração é o ponto forte do processo de ideação ou brainstorm. Aqui é muito importante ir além dos métodos tradicionais já consolidados e pensar mais um pouco mesmo depois de encontrar uma primeira solução. E o mundo complexo exige que façamos isso de forma colaborativa.

No Design Thinking, a divergência é vista como uma possibilidade de ampliação de ideias para expandir propostas. Vamos pensar como o zoom de câmera. Começamos abrindo uma perspectiva mais ampla, tomando certa distância para tentar entender o problema como um todo e a pluralidade de sugestões.

Depois, é hora de diminuir a amplitude do que se vê e fechar o foco, para filtrar as ideias mais adequadas para solucionar o problema definido.

Experimentação para o mundo complexo

Tudo isso precisa sair do papel para que a ideia criativa passe a ser, de fato, uma inovação e consiga solucionar um problema do mundo complexo. As etapas de protótipo e testes consagram esse princípio da aplicação do Design Thinking.

É a partir da experimentação que os feedbacks ocorrem e norteiam as correções e o aprimoramento da solução proposta. Assim, é possível ter a versão mais refinada e que melhor atende às necessidades identificadas e implementar de vez a solução concreta.

Você usa o Design Thinking para resolver problemas do mundo complexo? Compartilhe suas experiências com a gente!

Autor (a)

Marina Petrocelli
Mais de 12 anos se passaram desde minha primeira experiência com Comunicação Social. Meus primeiros anos profissionais foram dedicados às rotinas de redações com pouca ou nenhuma relevância digital. O jornalismo plural se resumia em apurar os fatos, redigir a matéria e garantir uma foto expressiva. O primeiro sinal de mudança veio com a proposta para mudar de realidade e experimentar um formato diferente de produzir. Daí pra frente, as particularidades do universo do marketing se tornaram permanentes. Ah! Também me formei em Direito (com inscrição na OAB e tudo). Mas nem tudo se resume às minhas habilidades profissionais. Como produtora de conteúdo, me interesso por boas histórias, de pessoas reais ou em séries, filmes e livros, especialmente distopias. Gosto de montar roteiros de viagens e reconhecer estrelas e constelações em um aplicativo no celular. Museus, música e arte no geral chamam minha atenção, assim como cultura pop.

Compartilhar