Quais mudanças a Internet das Coisas causa nos negócios?

Conhecida como um conjunto de tecnologias que permite a comunicação e o compartilhamento de dados entre sensores, carros, eletrodomésticos, dispositivos vestíveis e tantos outros, a Internet das Coisas (em inglês, a sigla é IoT, de Internet of Things) é capaz de atender objetivos diversos, inclusive no mundo dos negócios.

Algumas das soluções que já estão em operação ao redor do mundo e no Brasil – ou em fase de testes para lançamento em breve – são dispositivos voltados para saúde, transporte, agronegócios, indústria e logística.

E, ao contrário do que se pensa, a IoT não é apenas uma tecnologia, mas sim a união de várias para resolver problemas, gerando valor e velocidade para processos específicos.

Quando conectados, os dispositivos interagem e trocam informações, seja por internet, Wi-Fi, Bluetooth ou canais de VHF, UHF e HF entre outros. Dificilmente você não se deparou com algo ligado à Internet das Coisas, pois ela já está presente na automação de residências – as famosas casas inteligentes -, em carros inteligentes e na agricultura autônoma.

Mas esses são apenas os exemplos mais populares, pois a IoT é capaz de muito mais.

Rede segura

Pontualmente no Brasil, a IoT ficou mais relevante no Agronegócio por tornar o país mais produtivo, auxiliando na diminuição do desperdício ao utilizar melhor os campos existentes.

No entanto, conectar dispositivos para lidar com dados tão sensíveis e apenas em uma rede requer atenção máxima para a segurança. O software usado precisa de proteção de ponta a ponta em todas as comunicações até chegar na nuvem, do contrário, ele será sensível à entrada de hackers e usos maliciosos.

Para entender bem a necessidade de assegurar isso, é crucial dominar a básica do funcionamento da Internet das Coisas e evitar falhas mínimas em seu sistema, que se divide em 5 partes:

  • Device
  • Firmware
  • Connectivity
  • Cloud Platform
  • Cloud App

Se dados são tão importantes em um mundo conectado, lidar e tratar cada um deles não deve ser diferente, e essa deve ser a principal preocupação para iniciar no mundo da IoT. E a forma como dados são coletados e sistemas são desenhados pode significar o bem-estar futuro de uma empresa.

Ter boas informações é o que torna um negócio competitivo, por isso a digitalização auxilia tanto na tomada de decisões mais rápida quanto na antecipação de problemas, riscos e tendências que colocam a empresa à frente das concorrentes.

Razões para adotar IoT

Por propor formas inovadoras de gerenciar e operar remotamente muitos processos, a Internet das Coisas permite que organizações supervisionem locais remotos enquanto informações são alimentadas continuamente e armazenadas.

O baixo custo das “coisas” também mostra o quanto a tecnologia está acessível e disponível para os mais variados tipos de negócios. Não é preciso sistemas complexos para obter e lidar com dados da IoT.

O estudo liderado pelo BNDES, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) e conduzido pelo consórcio McKinsey/Fundação CPqD/Pereira Neto Macedo, revela que o impacto da IoT na economia global será de 4% a 11% do PIB mundial em até cinco anos, o que corresponde entre 3,9 e 11,1 trilhões de dólares.

Desse potencial, até 40% deve ser captado por economias emergentes e, no caso do Brasil, estima-se que 50 a 200 bilhões de dólares resultarão desse movimento econômico anual em 2025.

Como usar

Confira agora alguns exemplos de aplicação da Internet das Coisas nos negócios.

Comércio Inteligente

A Internet das coisas ajuda a criar lojas e estabelecimentos inteligentes, com sensores responsáveis por coletar desde o funcionamento de câmeras de vigilância até o consumo de energia elétrica e a entrada de clientes.

Sensores de movimento conectados ao sistema da empresa podem medir o número de pessoas que entram na loja e criar dados para captar o efeito de campanhas, promoções e popularidade de produtos. Esse ponto é interessante para integrar setores estratégicos, como o de vendas e o marketing.

Meios de pagamento

O pagamento sem contato será uma exigência do cliente nos próximos anos, principalmente após as alterações de consumo causadas pela pandemia. O NFC já é uma tecnologia de pagamento comum em vários países – e, no Brasil, cada vez mais máquinas de cartão já trabalham com essa possibilidade.

A tecnologia permite que as pessoas paguem usando seus smartphones, relógios e pulseira inteligentes ou até mesmo cartões em versão sem contato, de forma segura e prática.

Serviços de entrega

Testado em outros países, o uso de drones para entregas já está se popularizando, principalmente no varejo. Em breve, essa será uma opção possível para muitos setores.

Conhece outras formas de usar a Internet das Coisas nos negócios? Não deixe de compartilhar com a gente nos comentários 😉

Autor (a)

Ana Rízia Caldeira
Boa ouvinte, aprecio demais os momentos em que posso ver o mundo e conhecer as coisas pelas palavras das outras pessoas. Não por menos, entrei para o jornalismo. E além de trazer conteúdos para o Next, utilizo minhas habilidades de apuração e escuta para flertar com a mini carreira de apresentadora nos stories do MBA USP/Esalq, no quadro Você no Camarim. Quando não estou me ocupando em ser a garota dos textos e do Instagram, gosto de usar meu tempo para devorar livros, acompanhar algum bom filme, enfeitar minha casa com tapetes de crochê, desenhar flores e abusar dos meus dotes na cozinha.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here