Conheça o copywriting e comece a fazer textos que vendem

Marketing e Vendas são duas áreas que sozinhas não funcionam. Sem a estratégia de uma, não é possível atingir os objetivos da outra. Sem a comunicação de ambas, não é possível alcançar o público certo. E dentro de um leque de ações para isso, o copywriting chama a atenção por trabalhar com a persuasão.

“Quando falamos de persuasão, as pessoas logo avaliam como algo negativo ou uma mentira. Na verdade, a persuasão gera uma ação. Então o copy é a arte de fazer com que as pessoas interajam com a marca para depois comprar”, explica Rafael Terra, professor de copywriting no MBA em Marketing USP/Esalq.

Ele acrescenta que essa técnica é direcionada para uma ação rápida de vendas, por isso ela precisa estar sempre alinhada com metas de curto prazo. Os resultados, no entanto, vão depender de um elemento importante: um texto chamativo.

Persuasão e atração

Existe muita confusão sobre o copywriting ser parte da redação publicitária. Isso não está totalmente errado, mas é importante saber que o primeiro é exclusivamente praticado na internet, enquanto a redação publicitária é feita também para mídias tradicionais, como outdoors e revistas.

“Lembrando que o copy tem como objetivo mais agilidade nas vendas. É o que vemos na Black Friday, por exemplo, com ofertas que duram geralmente um dia e precisam estar visíveis para gerar um movimento de vendas instantâneo”, relaciona o professor.

Terra também lembra que o copywriting não deve ser confundido com outra estratégia de texto: o marketing de conteúdo. Isso se deve pela diferença de tempo para alcançar resultados, já que o copy age de forma rápida e aparece somente quando existe um relacionamento entre marca e usuário.

“Se você não fizer o marketing de conteúdo antes do copy, sua estratégia não vai dar certo. É preciso de um relacionamento de longo prazo para que as pessoas confiem na marca antes de concluírem uma compra”, alerta o professor.

Estratégias de branding, geração e entrega de conteúdo por meio de uma série de ferramentas de marketing, como anúncios, blogs e redes sociais, também ajudam o copywriting a cumprir sua função, sendo ele a fase final de um funil de vendas.

É para todo mundo

Sabendo que o copywriting tem objetivo de conseguir movimento de venda e tem em seu cerne o engajamento das pessoas com a marca, fica difícil dizer que ele não é válido para todo tipo de empresa – seja ela pequena, média ou grande.

Para Terra, a dificuldade em adotar essa técnica ainda está nas crenças sobre sua eficácia. “Muitas pessoas se afastam do copy porque acham ele chato. Mas não podemos encarar as ferramentas apenas com o olhar pessoal. É preciso entender os resultados que elas dão”, observa.

E a melhor forma de conferir os ganhos com a estratégia é colocando-a para rodar. O professor acrescenta nessa dica a necessidade de se entender e estudar o processo decisório, que depende de inúmeros fatores, mas pode ser trabalhado a partir do contato com o cliente. 

“Existe um conceito em marketing digital que é muito importante para entender o copywriting: as pessoas não são, elas estão. Agora eu estou em uma entrevista e depois farei outra coisa. Da mesma forma, para que um usuário faça uma compra, preciso saber em que momento ele está”, completa.

A bola no gol

Com tantas fórmulas de marketing, o alerta do professor fica para a exaustão. Então, para sobreviver usando tantas ferramentas sempre a seu favor, é preciso ser criativo. E a criatividade nada mais é do que inspiração, que pode acontecer quando observamos o que outras marcas estão fazendo.

Uma boa forma de fazer isso é se inscrevendo em listas de newsletters de empresas para analisar como elas se comportam nesse canal e como engajam seus consumidores em outros.

A maneira de se comunicar por meio do copywriting também faz a diferença nas vendas. Por isso, não vale direcionar o texto para pessoas que deixaram de receber informativos da marca há tempos ou que não sentem prioridade na compra.

“É muito importante criar o momento, deixar a pessoa decidir entrar nele e se engajar para finalmente comprar. O copy seria a bola no gol, a solução para o problema da pessoa com um preço que cabe no bolso dela. Não podemos rasgar dinheiro direcionando a comunicação para o público errado”, alerta o professor.

Além de convencer o usuário de forma amigável, o copywriting precisa prezar pela verdade, gerando reputação para a marca, e focar em ações além das vendas, como o atendimento pós-compra.

“Assim como existe muita coisa antes da venda, existe muita coisa depois da compra. É sempre bom pensar se você está preparado para o atendimento em todos os pontos de contato antes de usar uma ferramenta de persuasão”, completa Terra.

Dicas para dominar o copywriting

Um bom copywriting requer um bom texto, obviamente. E um bom texto não pode ser pobre, mal feito, apresentar falta de credibilidade, ter muita ou pouca informação, falar de forma errada com o público e deixar de exibir os benefícios do produto ou serviço.

Muito além de colocar esses atributos, um bom copy funciona quando o autor entende as pessoas. Portanto, para começar a treinar esse tipo de texto, siga estas dicas:

  • Conheça seu público: do contrário, não é possível convencê-lo a fazer a ação desejada.
  • Ofereça mais: intensifique relações oferecendo algo em troca de informações sobre sua audiência.
  • Transmita confiança: traga depoimentos que confirmem o poder da sua solução.
  • Oferte pela escassez: mostre que seu produto, serviço ou conteúdo é limitado, gerando urgência no público-alvo.
  • Traga afeição: faça as pessoas se conectarem com a marca pela proximidade e por se parecer com elas.
  • Mostre compromisso: sinalize para o cliente que ele possui um problema e a sua oferta será a solução.

Tem muito mais sobre copywriting para ver nas aulas do MBA em Marketing. Saiba quais são os benefícios de se inscrever ainda neste ano!

Autor (a)

Ana Rízia Caldeira
Boa ouvinte, aprecio demais os momentos em que posso ver o mundo e conhecer as coisas pelas palavras das outras pessoas. Não por menos, entrei para o jornalismo. E além de trazer conteúdos para o Next, utilizo minhas habilidades de apuração e escuta para flertar com a mini carreira de apresentadora nos stories do MBA USP/Esalq, no quadro Você no Camarim. Quando não estou me ocupando em ser a garota dos textos e do Instagram, gosto de usar meu tempo para devorar livros, acompanhar algum bom filme, enfeitar minha casa com tapetes de crochê, desenhar flores e abusar dos meus dotes na cozinha.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here