Proposta de valor: como criar a sua

Alguns hábitos já são tão naturais que quase não nos questionamos por que escolhemos determinado produto, de uma marca específica e que, às vezes, custa até mais caro. A resposta provavelmente está em um dos conceitos fundamentais de todo negócio: a proposta de valor.

Para começarmos a falar sobre esse assunto, precisamos ter em mente que os consumidores não compram apenas produtos ou serviços. Você já sabe que eles querem adquirir tudo aquilo que a marca representa e estão de olho nas experiências.

Por isso, a proposta de valor deve relacionar os destaques da sua marca e reforçar sua capacidade de entregar soluções, resolver problemas ou proporcionar mais conforto e praticidade, de maneira inteligente e envolvente.

Esse elemento do Marketing ainda traduz de forma clara, concisa, transparente e objetiva como o seu negócio pode ser relevante para o cliente. Quer saber mais?

Onde colocar a proposta de valor?

A proposta de valor deve ficar em qualquer espaço de apresentação da empresa. Inegavelmente, nos últimos meses, a presença das empresas em plataformas digitais cresceu consideravelmente. Então, um bom ponto é o próprio site, seja ele institucional ou e-commerce, ou até as redes sociais.

Logo vamos falar da estrutura da proposta de valor e os principais tipos, mas vale pensar que esse conceito ultrapassa as barreiras verbais e deve ser destaque também nos aspectos visuais da sua marca.

Ele pode estar no design, na estruturação das informações e na escolha das imagens. Todos esses elementos fazem com que a proposta de valor seja absorvida de um jeito mais rápido e direto pelos consumidores.

A ideia é posicionar a sua proposta de valor onde o cliente está. Sabendo que ele busca por referências na internet, por exemplo, talvez seja hora de começar a abastecer seu canal de comunicação online com conteúdos que transmitam a mensagem.

Estrutura verbal

A parte escrita de uma proposta de valor deve seguir um padrão, com elementos que deixem a leitura mais intuitiva e prática.

  • Título: com no máximo duas frases, precisa ser impactante, sucinto e com a entonação adequada para atrair a atenção do leitor.
  • Subtítulo: é o momento de dar mais informações sobre o seu negócio. Cerca de três linhas são suficientes para detalhar brevemente o que a empresa faz, para quem se destina o produto ou serviço e quais seus benefícios.
  • Bulletpoints: são os tópicos que destacam outras vantagens. Costumam ter grande poder de captação da atenção do consumidor.
  • Imagens: como falamos acima, o apelo visual tem grande importância em uma proposta de valor e, em conjunto com o texto, deve reforçar a mensagem principal.

Tipos de proposta de valor

É possível montar sua proposta de valor a partir de várias características do seu produto ou serviço. Também existe a possibilidade de uma marca desenvolver mais de uma proposta de valor, variando conforme o que é oferecido e para quem. Confira alguns tipos!

  • Desempenho: ótimo para o mercado de tecnologia, otimizar a performance de produtos e serviços é uma das formas mais tradicionais de criar uma proposta de valor. Afinal, ninguém gosta de um computador que trava a todo momento, certo?
  • Novidade: essa é a chance de revolucionar o mercado. O melhor exemplo disso foi o primeiro smartphone, que reuniu múltiplas funcionalidade em um único aparelho móvel.
  • Personalização: para produtos e serviços mais tradicionais, a dica é personalizar a proposta de valor, como é o caso da Starbucks, que não serve apenas o cafezinho tradicional, mas conta com opções personalizadas da bebida.
  • Design: além de apresentar layouts elegantes e de acordo com as diretrizes da marca, o design serve para melhorar a experiência do usuário.
  • Status: a gente aposta que você já se encantou com uma propaganda de perfume. A ideia é justamente vender mais do que um perfume, mas todo poder que aquele produto pode oferecer. Isso vale também para outros artigos considerados de luxo, como carros, sapatos, roupas e acessórios.
  • Preço: por outro lado, os preços acessíveis também são um tipo de proposta de valor que possibilita acesso a bens de consumo que antes não eram viáveis. É o caso dos carros populares.
  • Redução de custos: parece que caminhamos para uma sociedade que não gasta mais com telefone. Isso porque aplicativo como Skype e Whatsapp possibilitaram uma redução de custos para as rotinas de empresas e pessoas físicas.
  • Segurança: a diminuição de riscos comuns também pode ser uma proposta de valor. São os casos dos cartões de crédito e débito, que substituíram o dinheiro nas carteiras e proporcionaram mais segurança aos clientes.
  • Conveniência: facilitar e oferecer mais conforto na busca por coisas e lugares, como é feito pela OLX e Airbnb, respectivamente.

Você já conhecia todas essas opções de proposta de valor? Comente!

Autor (a)

Marina Petrocelli
Mais de 12 anos se passaram desde minha primeira experiência com Comunicação Social. Meus primeiros anos profissionais foram dedicados às rotinas de redações com pouca ou nenhuma relevância digital. O jornalismo plural se resumia em apurar os fatos, redigir a matéria e garantir uma foto expressiva. O primeiro sinal de mudança veio com a proposta para mudar de realidade e experimentar um formato diferente de produzir. Daí pra frente, as particularidades do universo do marketing se tornaram permanentes. Ah! Também me formei em Direito (com inscrição na OAB e tudo). Mas nem tudo se resume às minhas habilidades profissionais. Como produtora de conteúdo, me interesso por boas histórias, de pessoas reais ou em séries, filmes e livros, especialmente distopias. Gosto de montar roteiros de viagens e reconhecer estrelas e constelações em um aplicativo no celular. Museus, música e arte no geral chamam minha atenção, assim como cultura pop.

Compartilhar