Minimalismo: rotina sustentável dentro e fora do trabalho

Se o conceito de sustentabilidade está ligado à satisfação das necessidades atuais dos seres humanos sem, no entanto, comprometer o futuro das próximas gerações, então a filosofia do minimalismo pode contribuir com o estilo de vida de quem já entendeu que ter menos bens materiais pode significar mais qualidade de vida.

Reduzir ao mínimo o uso de elementos e recursos, tanto em casa quanto no trabalho, é a principal proposta para você se reconectar com o que realmente importa. Como isso é relativo, o aspecto comum é entender que a lógica consumista nos coloca no centro de cenários cheios, mas pouco eficientes, que nos distanciam dos nossos objetivos.

Quando você consome melhor, com menos necessidade de comprar e com mais consciência do que você realmente precisa para sua vida e seu trabalho (minimalismo), você adquire algumas características sustentáveis para o seu dia a dia, como a redução de lixo e de gasto de energia elétrica.

Limpando a desordem e eliminando as distrações dos ambientes você é capaz de proporcionar um lugar sustentável, mesmo que ele seja a sala da sua casa ou sua mesa no escritório.

Cuidado com radicalismos

Tudo que é excessivo ou feito por impulso pode levar a consequências não tão saudáveis ou sustentáveis. No minimalismo não é diferente quando o assunto é jogar fora algumas coisas sem a devida avaliação ou mesmo defender atitudes extremas.

Com o consumismo, a quantidade de “fasts” aumentou, como os fast food e a fast fashion, duas modalidades que buscam rapidez nas entregas, seja na montagem de um lanche ou no lançamento de novas coleções. Assim, o lixo também aumentou, consequência da descartabilidade das coisas, que perdem sua vida útil muito cedo.

Mas será que o caminho para o minimalismo é, por exemplo, abolir de uma vez por todas os consumos “fasts” das nossas vidas? Ou é possível mudar gradualmente os hábitos sem precisar proibir?

Isso também se aplica aos bens materiais que você está considerando se desfazer ou doar. A ideia do minimalismo não é te deixar sem posses, mas manter o que realmente for útil ou que represente uma lembrança a ser preservada.

Dessa forma, assim como algumas pessoas recomendam avaliar por 24 horas antes de comprar algo, a dica é esperar o mesmo tempo antes de se livrar de bens que você acredita que não lhe servem mais. Com isso você consegue ter certeza sobre o destino adequado das coisas.

Foque no mais

Com o minimalismo movimentando dentro de você e ao seu redor as coisas que podem ser diminuídas, também vale focar em tudo que essa prática nos acrescenta. Entre as coisas que agregam, podemos ressaltar a liberdade, o espaço livre e melhores relacionamentos.

Considerando que nosso cérebro tem dificuldade em reconhecer a palavra “não” e que ao falarmos “menos”, automaticamente, o que vem na sequência não é interpretado como algo que devemos nos livrar, que tal focar em mais abundância e positividade?

Minimalismo financeiro

Uma das vertentes mais importantes do minimalismo está ligada às finanças, já que o dinheiro é sempre tema de discussões, seja em momentos de boa economia ou crise. Para adotar esse estilo de vida, tenha em mente que será preciso cortar as despesas mensais desnecessárias e automatizar as transações financeiras e relatórios de controle pessoal.

Toda tomada de decisão deixa seu cérebro mais cansado. Por isso, a automatização ajuda a economizar energia mental. Quando aquela fatura essencial é descontada automaticamente da sua conta corrente, por exemplo – chamado de débito automático – você pode se concentrar em tomar melhores decisões em outras áreas da vida sem se preocupar com aquele pagamento específico.

E tudo isso resulta em prioridade de gastos. Afinal, o minimalismo te encoraja a abraçar as coisas que realmente são importantes para você, inclusive influenciando o modo como você gasta seu dinheiro.

Minimalismo no trabalho

Distrações visuais tem a ver com níveis de estresse. Papéis, lembretes, anotações, enfeites e itens pessoais estão constantemente dispostos em nossa mesa de trabalho. Esse ambiente demanda grande concentração, por horas. Então, organizar e limpá-lo é uma boa opção para coordenar a mente.

Também é possível aplicar o minimalismo nas roupas que você seleciona para trabalhar. O uso de uniforme, por exemplo, auxilia no dia a dia e ainda permite que você dedique sua energia mental em outras decisões. E a ideia do uniforme pode ser colocado em prática mesmo que de forma independente. Você pode estabelecer algumas peças de roupas para usar exclusivamente no trabalho e separar em alguma gaveta específica para isso.

Você já conhecia a filosofia do minimalismo? Conte sua experiência!

Autor (a)

Marina Petrocelli
Mais de 12 anos se passaram desde minha primeira experiência com Comunicação Social. Meus primeiros anos profissionais foram dedicados às rotinas de redações com pouca ou nenhuma relevância digital. O jornalismo plural se resumia em apurar os fatos, redigir a matéria e garantir uma foto expressiva. O primeiro sinal de mudança veio com a proposta para mudar de realidade e experimentar um formato diferente de produzir. Daí pra frente, as particularidades do universo do marketing se tornaram permanentes. Ah! Também me formei em Direito (com inscrição na OAB e tudo). Mas nem tudo se resume às minhas habilidades profissionais. Como produtora de conteúdo, me interesso por boas histórias, de pessoas reais ou em séries, filmes e livros, especialmente distopias. Gosto de montar roteiros de viagens e reconhecer estrelas e constelações em um aplicativo no celular. Museus, música e arte no geral chamam minha atenção, assim como cultura pop.

Compartilhar