Gestão escolar: qual a responsabilidade da família de estudar com os filhos?

estudar com os filhos

Um dos desafios da gestão escolar é estabelecer a importância da família de estudar com os filhos. A participação dos pais na educação é muitas vezes escassa – o que prejudica o processo de aprendizagem das crianças e dos adolescentes.

Entre ensino de qualidade e cronograma dinâmico e cheio de atividades, a escola também tem o dever de mostrar a importância de pais e responsáveis assumirem a tarefa de estudar com os filhos. Além de buscar formas de incentivar essa participação.

Por isso, separamos alguns benefícios da integração da família na educação dos filhos. Confira!

Rendimento escolar

Se um aluno é incentivado em casa, tem auxílio para as tarefas escolares e os pais estão sempre “no pé”, mostrando a importância do aprendizado, a tendência é que ele tenha um bom rendimento.

Imagine a situação em que os pais não incentivam, não auxiliam nas lições para casa e nem se preocupam em saber das dificuldades e desafios gerais da vida escolar. Se nem os responsáveis, que são a figura de inspiração, se preocupam com isso, a própria criança não sentirá necessidade em se dedicar tanto assim.

E isso vale para todas as atividades dentro do panorama geral da escola, desde provas até apresentações de trabalhos, atividades em sala e extraclasse. Por isso, estudar com os filhos é essencial para melhorar e manter um bom rendimento escolar dos alunos. É papel dos gestores e professores incentivar essa participação.

Comportamento

Não apenas estudar com os filhos, conversas também são importantíssimas no processo de aprendizagem durante todo o ciclo escolar. O diálogo deve fazer parte da rotina entre os responsáveis em casa e os alunos, para evitar que pequenos desafios se tornem problemas que influenciam na aprendizagem e formação das crianças e adolescentes.

A família deve dar atenção e apoio aos filhos, se preocupar com os hábitos escolares, estudar junto e ser presente na vida deles. Assim, é mais fácil identificar problemas que saem da rotina e influenciam o comportamento. É ideal, ainda, que sempre haja incentivo e abertura para as crianças e adolescentes falarem sobre seus anseios – e que os adultos os levem a sério.

Se uma criança está agressiva com os colegas ou se mostra constantemente com medo, por exemplo, a escola e os pais devem averiguar, juntos, o que influenciou esse comportamento, para resolver e evitar um trauma maior no futuro.

Interação com a escola

Participar da educação dos filhos vai além de estudar em casa e conversar. Também quer dizer se interessar e se envolver em eventos escolares, reuniões de pais e mestres e qualquer tipo de atividade. Essa aproximação faz com que os responsáveis entendam as dificuldades do aluno e o ajude a superá-las.

Manter uma comunicação direta com os professores dos filhos também é essencial. A gestão democrática escolar quer dizer justamente trazer todos para participar das decisões, integrando professores, funcionários, pais, alunos e sociedade.

Por isso, estar presente é mais do que estudar com os filhos em casa.

Educação para a vida

É comum em muitas escolas – em geral particulares – propagandas informando sobre alunos que passaram nos vestibulares mais difíceis do país. Embora esse seja um dos objetivos da maioria dos pais e estudantes, não deve ser o único.

O papel da escola é educar para a vida, preparar os estudantes para as dificuldades e desafios do mercado de trabalho, dar apoio para seus anseios profissionais e ensiná-lo, acima de tudo, a ser um ser humano – junto com o apoio familiar.

Por isso, estudar com os filhos é imprescindível. Assim, a escola não formará somente para vestibulares e concursos, mas para lidar com diversas situações da vida adulta. O gestor e os professores da instituição de ensino devem incentivar essa participação e cobrar que os pais estejam sempre presentes na vida escolar.

Quer saber mais sobre gestão escolar? Conheça o MBA USP/Esalq! As inscrições estão abertas.