7 filmes que retratam o valor da educação

Algumas obras cinematográficas nascem com propósito além do entretenimento. Inspiradoras, elas podem servir também como verdadeiras aulas sobre a vida real, inclusive quando mostram o valor da educação. Confira sete produções que o Next separou sobre o assunto e que o alto poder de transformação da educação quando comprometida com a formação social.

A Voz do Coração (2004)

O longa francês trata da recordação de Pierre Morhange (Jacques Perrin), que volta para casa após o falecimento da mãe e recorda sua infância por meio das páginas de um diário mantido por seu antigo professor de música, Clément Mathieu. Regressando a década de 1940, o ainda jovem Pierre frequenta um internato que enfrenta dificuldades para manter a disciplina dos alunos difíceis. A chegada do professor Mathieu traz nova vida ao lugar: ele organiza um coro que promove a descoberta do talento musical de Pierre.

O Substituto (2011)

Competente professor de ensino médio, Henry Barthes (Adrien Brody) não encontra dificuldades para se relacionar com seus alunos. Ele escolhe ser um professor substituto para não criar vínculos com pessoas, profissão que o faz mudar constantemente de cidade. Quando começa a lecionar em uma escola pública, ele encontra professores desmotivados e alunos violentos com problemas familiares. O professor então se envolve emocionalmente com os estudantes, mostrando o valor da educação, o que faz com que ele sinta sua importância na vida desses jovens.

Além da Sala de Aula (2011)

Stacey Bess é uma professora em busca do primeiro emprego. Contrariando suas expectativas, a jovem é contratada para lecionar em uma escola de um projeto social para crianças sem-teto. Logo em seus primeiros dias, ela precisa vencer seus medos e preconceitos, além das condições precárias do local de ensino. Com seu próprio esforço e economias, Stacey muda a realidade da escola e as crianças começam a desenvolver seu aprendizado.

Quando tudo começa (1999)

Outro sucesso da cinematografia francesa, o filme relata a vida de Daniel Lefebvre (Philippe Torreton), professor de uma pequena cidade que sofre com o fechamento das minas de carvão e enfrenta uma alta taxa de desemprego. Daniel e os outros professores são aconselhados a não se envolver com os problemas da comunidade, mas é impossível para ele ignorar a miséria, a indiferença do governo e os sérios problemas domésticos que suas crianças enfrentam.

Sociedade dos Poetas Mortos (1989)

Clássico mais aclamado de Hollywood sobre educação, o longa mostra a realidade da Academia Welton, um tradicional e conservador internato masculino dos Estados Unidos. Neste cenário chega John Keating (Robbin Williams), professor que usa métodos inusitados para mostra o valor da educação ao incentivar seus alunos, sete estudantes da Welton que fundam a Sociedade dos Poetas Mortos.

Duelo de Titãs (2000)

Nos anos 70, a justiça de uma cidade no estado da Virginia determinou que as escolas deveriam promover a integração entre brancos e negros. Cumprindo a norma, a escola T.C. Williams substituiu o treinador de futebol americano Bill Yoast (Will Patton), branco, por Herman Boone (Denzel Washington), negro. Além de não ser bem recebido, o novo treinador tem que lidar com jovens que estão juntos pela primeira vez e que, por preconceito racial, não se dão bem. Mais do que o esporte, o racismo é o maior desafio que Boone enfrenta para levar o time adiante.

O Sorriso de Monalisa (2003)

A recém-formada Katherine Watson (Julia Roberts) é contratada para lecionar História da Arte na Wellesley College, uma escola só para mulheres. A educadora começa a confrontar os valores conservadores da instituição e a mostrar às suas alunas, de famílias tradicionais, que elas poderiam querer mais do que se casar no futuro a partir de importantes lições sobre o valor da educação.   Gostou? Veja também 5 Ted Talks sobre educação que você precisa assistir

Autor (a)

Ana Rízia Caldeira
Boa ouvinte, aprecio demais os momentos em que posso ver o mundo e conhecer as coisas pelas palavras das outras pessoas. Não por menos, entrei para o jornalismo. E além de trazer conteúdos para o Next, utilizo minhas habilidades de apuração e escuta para flertar com a mini carreira de apresentadora nos stories do MBA USP/Esalq, no quadro Você no Camarim. Quando não estou me ocupando em ser a garota dos textos e do Instagram, gosto de usar meu tempo para devorar livros, acompanhar algum bom filme, enfeitar minha casa com tapetes de crochê, desenhar flores e abusar dos meus dotes na cozinha.

Compartilhar