Como é o mercado de trabalho para gestores de cooperativas de crédito?

As cooperativas de crédito crescem a cada ano e com isso, as oportunidades e de trabalho se ampliam. O número de cooperados no Brasil cresceu quase 200% nos últimos 10 anos e já bateu a marca de 8 milhões, segundo dados do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). A quantidade de unidades de atendimento também aumentou. Em 2014 eram 5.235 e em 2016 eram 5.633 espalhadas pelo país. Esse aumento representa 7,6 % em apenas dois anos. O professor do MBA em Gestão em Cooperativas de Crédito e referência no setor de cooperativismo financeiro Ênio Meinen disse que há um crescimento em ativos de 20% ao ano há mais de uma década e esse cenário não deve mudar. “A atividade agropecuária e o pequeno negócio urbano são e serão os grandes impulsionadores do setor”, afirma.

Rotatividade

Além de um mercado crescente, a rotatividade do segmento de cooperativas financeiras é baixa na comparação com o mercado convencional, de acordo com Meinen. “Dado o ambiente de trabalho mais flexível e participativo, além da circunstância de os colaboradores serem também cooperados”, explica. Esse ambiente em que os colaboradores são empregados e proprietários ao mesmo tempo não é favorável para uma grande rotatividade de funcionários.

Formação e salário

A maioria dos colaboradores de cooperativas financeiras é graduada em áreas como administração, economia, ciências contábeis e direito e a faixa de idade média é de 28 anos. O salário médio de quem atua no setor é de R$ 4 mil, segundo o professor. Isso pode variar de acordo com o cargo. São cerca de 75 mil profissionais que trabalham no setor atualmente, sem contar com os dirigentes e o número cresce cerca de 8% ao ano mesmo em intervalos de adversidade econômica, afirma Meinen. Quer atuar na área? Conheça o MBA USP/Esalq em Gestão em Cooperativas de Crédito.

Autor (a)

Compartilhar